• Como ter flexibilidade no quadro de funcionários do condomínio?

    27 de junho de 2018

    Organizar o quadro de funcionários do condomínio de forma eficiente é essencial para o bom funcionamento de todas as áreas do residencial. Os turnos bem organizados, além de promover o bem-estar dos condôminos e manter os funcionários satisfeitos com os horários de trabalho, também podem evitar gastos altos na folha de pagamento com horas extras.

    No entanto, decifrar qual a melhor forma de organizar o quadro de horários dos funcionários do condomínio sem deixar de observar todas as exigências legais pode ser uma tarefa complicada. Confira, a seguir, algumas dicas importantes sobre como coordenar os turnos dos funcionários do condomínio.

    A flexibilidade no quadro de funcionários do condomínio

    Os turnos dos funcionários do condomínio podem ser coordenados com diversas estratégias e durações, sendo que um dos principais determinantes é a quantidade de empregados disponíveis para cada função.

    É legalmente permitido que cada funcionário do condomínio tenha jornadas de 6 a 12 horas por dia, contanto que se respeitem os períodos mínimos de folga entre um turno de serviço e outro.

    A portaria 24 horas é, com frequência, o quadro de horários que mais gera problemas no planejamento de turnos de um condomínio. Afinal, é o local de acesso de todos os moradores, visitantes e prestadores de serviço que chegam ao empreendimento – ou seja, é vital na segurança do condomínio e, portanto, nunca pode estar desprovido de pessoal.

    Um erro comum na administração dos condomínios é a utilização de escalas de turnos inadequadas, como a utilização de apenas 3 porteiros em escalas de 8 horas. Uma solução possível adotada pelas Convenções Coletivas é a utilização de 4 funcionários em escalas de 12×36, ou seja, turnos de 12 horas de serviço seguidas por 36 horas de descanso. Outra opção é o emprego de folguistas, que são funcionários contratados para trabalhar nos dias de folga de outros colaboradores em regimes de revezamento.

    O que a legislação diz sobre os funcionários do condomínio?

    As relações trabalhistas são geridas pela CLT, ou o decreto de Consolidação das Leis do Trabalho, enquanto os funcionários de condomínios possuem, também, as Convenções Coletivas de Trabalho como forma de complementação à CLT. Estas Convenções são uma série de princípios firmada entre os sindicatos de empregados e os empregadores e tem relevância estadual – ou seja, cada estado possui uma Convenção Coletiva de Trabalho diferente.

    É possível consultar a Convenção para entender o funcionamento das regras locais no site do Secovi do seu estado, entretanto, uma das principais disposições que precisa ser observada em todo o Brasil é a proibição da utilização de apenas 3 porteiros com escala de 8 horas – o que implica na contratação de 4 funcionários na escala 12×36 para cobrir as 24 horas.

    A terceirização – uma alternativa eficiente

    Uma boa forma de facilitar a organização dos turnos dos funcionários é terceirizar os serviços. Neste caso, a empresa contratada é responsável pela coordenação dos empregados em horas trabalhadas e de folga, de forma eficiente e legalizada, auxiliando na redução de custos do condomínio por evitar despesas desnecessárias que a má gestão dos turnos dos funcionários pode gerar.

    Desta forma, a portaria estará sempre guarnecida e quaisquer problemas que impeçam a presença dos porteiros terceirizados serão resolvidos pela empresa contratada. Além disso, as empresas se asseguram da qualidade do treinamento de seus funcionários, gerando mais comodidade e segurança para os condôminos.

    Como você lida com a flexibilidade de horários no quadro de funcionários do condomínio? Já considerou a terceirização dos serviços para resolver esse problema? Venha descobrir como funciona a terceirização de serviços promovida pelo Grupo M&S e até a próxima.